Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
ajde_events
gravityview
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
ajde_events
gravityview
AbreLoginRede

Programação presencial e on-line do CCJF para abril*

São cursos, oficinas, eventos musicais, exposições, debates e visitas orientadas, em sua maioria gratuitos e abertos ao público
publicado: 01/04/22 - 14:31última modificação: 02/05/22 - 13:21
artecentro culturalcultura

Ccjf

 

O Centro Cultural Justiça Federal (CCJF) anuncia sua programação, on-line e presencial, para o mês de abril. Confira abaixo os detalhes das ações oferecidas.

A programação, completa e atualizada, pode ser acessada pelo site do CCJF (https://www10.trf2.jus.br/ccjf).

Importante ressaltar que o CCJF segue todos os protocolos sanitários de prevenção à Covid-19.

Centro Cultural Justiça Federal – CCJF
Endereço: Avenida Rio Branco nº 241, Centro, Rio de Janeiro, RJ.
Horário de Funcionamento: terça a domingo das 11h às 19h.

 

Atividades on-line

 

LIVE

BATE-PAPO SOBRE O CURSO ECONOMIA CRIATIVA E CIDADES CRIATIVAS: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO

O professor Decio Coutinho falará sobre como usar a criatividade de modo rico, inteligente e estratégico nas Novas Economias, na Economia Criativa, tema do curso on-line que ele ministrará no CCJF.

Período: 18/4

Horário: 19h

Público-alvo: qualquer pessoa interessada no assunto

Classificação Indicativa: livre

Valor: Gratuito

Local: Instagram do CCJF

 

CURSO

ECONOMIA CRIATIVA E CIDADES CRIATIVAS: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO

Curso on-line ao vivo, interação entre o professor e a turma

O curso tem por objetivo  estimular artistas, profissionais, empreendedores criativos ou pessoas que queiram trabalhar com criatividade a ter um novo comportamento, estratégias e uma nova visão sobre como utilizar sua criatividade de modo mais rico, gerando múltiplos benefícios e potencias, através da Economia Criativa e das Cidades Criativas.

Período:  25, 26 e 27/04

Horário: das 19h às 20h30

Público-alvo: qualquer pessoa que deseje aprender a usar a sua criatividade de modo rico, inteligente e estratégico.

Classificação Indicativa: livre

Valor:  R$ 225,00

Inscrições: decio.go@gmail.com

Certificado ao final do curso

Professor:

Decio Coutinho, líder do Dia Mundial da Criatividade Goiânia 2020, movimento apoiado pela ONU. consultor, instrutor e palestrante nacional e internacional, colunista de Economia Criativa na Band News FM em Goiás, criador da metodologia Giros Criativos e do Fórum Internacional de Cidades Criativas.

 

VISITA ORIENTADA

DA JUSTIÇA À ARTE

A visita conta a história do prédio, de sua construção até os dias atuais. Projetado pelo arquiteto Adolpho Morales de Los Rios para ser originalmente o Palácio Arquiepiscopal, o edifício – exemplar da arquitetura eclética – abrigou o Supremo Tribunal Federal de 1909 a 1960. Atualmente, é um dos poucos remanescentes da reformulação da cidade do Rio de Janeiro ocorrida no início do século XX.

Data: a ser agendada pelo e-mail educativo.ccjf@trf2.jus.br

Horário: a combinar

Público-alvo: público em geral

Valor: Gratuito

Classificação Indicativa: livre

Local: Zoom do CCJF

 

Atividades presenciais

MÚSICA

SÉRIE VIOLÕES DA AV-RIO: NICOLAS PORTO SILVA (SP-AL): VIOLÃO

Nicolas Porto Silva é um dos mais destacados violonistas da nova geração, e fará o recital inicial do ano. No programa, a integra da Sonata para Violão Op. 77 de Mario Castelnuovo-Tedesco, uma das obras mais importantes do repertório moderno do instrumento. Também será apresentada a Introduction e Caprice Op. 23 de Giulio Regondi, uma das obras mais imponentes do século XIX.

PROGRAMA

Manuel M. Ponce – Prelúdio e Balleto

Mario Castelnuovo Tedesco – Sonata para violão (1934)

“Homenagem Boccherini”

  1. Allegro con Spirito
  2. Andantino, quasi canzone

III. Tempo di Minuetto

  1. Vivo et enérgico

5 Peças Brasileiras

Josué Costa – Feito em casa

Sergio Assad – Cateretê

João Luiz – Improviso nº 3 / Prelúdio nº 3

Carlos Alberto P. Fonseca – Estudo nº 6

Giulio Regondi – Introduction et Caprice Op. 23

Data: 2/4

Horário: das 17h às 19h

Público-alvo: público em geral, especialmente aos amantes de música erudita

Valor: R$10,00 e R$5,00 para estudantes e terceira idade

Classificação Indicativa: livre

Local: Sala de Sessões do CCJF

Convidado:

Nicolas Porto Silva, bacharelando em Música pela Universidade Federal de Goiás (UFG), produtor, solista e camerista em importantes projetos e festivais de música instrumental em cenários nacional e internacional.

 

SÍNTESE – GRUPO DE MÚSICA CONTEMPORÂNEA “TANTO MAR: NOVA MÚSICA CONTEMPORÂNEA PORTUGUESA”

O grupo apresentará obras de João Pedro Oliveira, Christopher Bochmann e outros. A obra de Ângela Lopes “A liberdade, sim, a liberdade!” será tocada pela primeira vez no mundo.

PROGRAMA

João Pedro Oliveira (1959) – The delicate essence of dreams (2020)

Cândido Lima (1939) – Salmodia da noite e da montanha (2018)

Pedro Faria Gomes (1979) – Partita (2021)

Ângela Lopes (1972) – “A liberdade, sim, a liberdade!” (2020) (estreia absoluta)

Christopher Bochmann (1950) – Asas (2020)

César Viana (1963) – De près (2021)

Hugo Vasco Reis (1981) – Some lines mixing a color (2019)

Data: 12/4

Horário: 12h30

Público-alvo: público em geral, especialmente amantes de música de câmara contemporânea portuguesa, pessoas interessadas em espetáculos de alto nível artístico.

Valor: gratuito

Classificação Indicativa: livre

Local: Sala de Sessões do CCJF

Convidados:

Helena Neves, voz soprano

Carlos Canhoto, saxofones

Francisco Martins, acordeão

Gustavo Delgado, violino e direção

Alfeu Carneiro, violino

David Win Lloyd, viola

Rogério Peixinho, violoncelo

 

SÉRIE CORDOFONES APRESENTA: NICOLAS DE SOUZA BARROS: VIOLÃO DE 7 CORDAS

A música de J. S. Bach é um dos pilares da arte ocidental, e sua obra instrumental é frequentemente executada em meios instrumentais distintos dos instrumentos originais para a qual foi concebida. Todas as obras deste recital foram arranjadas por Nicolas de Souza Barros para o violão de 7 cordas entre 2021 e 2022, sendo compostas inicialmente para violino (BWV 1001), alaúde barroco (Fuga BWV 998), violino / alaúde barroco / harpa (Partita 1006a) e órgão (BWV 565).

PROGRAMA

  1. S. Bach (1685-1750)

Todas as obras foram arranjadas por N. S. Barros

Sonata BWV 1001

Adágio – Fuga

Siciliana – Presto

Fuga BWV 998

Partita BWV 1006a

Prelúdio / Loure / Gavotte en Rondeau

Tocatta e Fuga BWV 565

Data: 30/4

Horário: das 17h às 18h20

Público-alvo: público em geral, especialmente aos amantes de música erudita

Valor: R$10,00 e R$5,00 para estudantes e terceira idade

 

Classificação Indicativa: livre

Local: Sala de Sessões do CCJF

Convidado:

Nicolas de Souza Barros, doutor em Música, professor e um dos mais conceituados especialistas brasileiros em instrumentos eruditos de cordas dedilhadas, como os violões de 6, 7 e 8 cordas, alaúdes variados e as guitarras barroca, renascentista e romântica, entre outros.

 

EXPOSIÇÕES

TODO ARTISTA É UM IMPOSTOR • ANTOLOGIA DE VIDEOPOEMAS

de Lula Wanderley

A mostra reúne 10 obras em vídeo de diferentes épocas, inúmeras fotografias, objetos e instalações do artista Lula Wanderley que perfazem três décadas de produções videográficas e fotográficas.

A obra de Lula é fortemente influenciada pelo universo das linguagens midiáticas,  a TV, o cinema e a fotografia; bem como pela literatura experimental, particularmente o movimento do poema//processo do qual o artista foi próximo.

Usando a lógica da colagem como método e base de seu trabalho, Lula se apropria de imagens emblemáticas que habitam o imaginário popular, manipulando e transformando seu sentido: algumas vezes irrompe literalmente dentro da cena (como por exemplo no trabalho que dá título à exposição Todo Artista é um Impostor (2008) onde, substituindo Humphrey Bogart nos momentos mais dramáticos de Casablanca, contracena com a atriz Ingrid Bergman); outras vezes materializa magicamente metáforas como a frase dita por Nelson Rodrigues, “no futebol o pior cego é o que só vê a bola”. A partir dessa frase, o artista criou o título da obra: A Arte é o Futebol sem Bola (2002), no qual Lula Wanderley manipula as imagens de um gol extraordinário de Maradona contra a Inglaterra tirando a bola da sequência e revelando a fantástica dança do grande jogador no espaço do campo de futebol. As paródias se sucedem em seus trabalhos de forma provocadora como no recém-finalizado vídeo Inquiet’Amor (2022) no qual substitui a fala das grandes artistas brasileiras Tarsila do Amaral, Lygia Clark, Lygia Pape e Clarice Lispector, em diferentes entrevistas, por reflexões dissonantes sobre o amor.

Período: de 26 de março a 22 de maio de 2022

Horário: de terça a domingo das 11h às 19h

Local: Galerias do 1º andar do CCJF

Classificação indicativa: 18 anos

Artista: Lula Wanderley, artista pernambucano de grande destaque no cenário artístico brasileiro.

 

REZAS HETEROGÊNEAS

de Mayra Rodrigues

A artista percorre os caminhos da arte sonora, fazendo convergir som e visualidade na construção de obras de arte que transitam em distintas linguagens, fundindo e compartilhando suas diferentes potencialidades. Além de ocupar os espaços museológicos da instituição, o Salão de Sessões e sua sala anexa, a exposição inaugura no CCJF, uma nova sala expositiva inteiramente dedicada a produções de arte sonora.

Mayra Rodrigues, nesta mostra, apresentará três obras: Ista, para dobras e quinas, (2020), A religião industrial (2021) e O som e os sentidos (2021). Articulando texto, imagem e som, os trabalhos de Mayra Rodrigues desenvolvem leituras críticas e poéticas em torno de raízes e origens dos mitos sociais e ideológicos contemporâneos. Confrontam, através da imagem e do som, algumas vezes através de seu entrechoque, os ideários ocidentais construídos ao longo dos séculos e que perpassam (falsas) ideias e conceitos de progresso, indústria, desenvolvimento, fé, religião, entre tantos outros.

Período: de 26 de março a 22 de maio de 2022

Horário: de terça a domingo das 11h às 19h

Local: Galeria da cela (térreo), Sala de Sessões e Sala Vip (1º andar)

Classificação indicativa: livre

Artista: Mayra Rodrigues, artista multimídia, jornalista e educadora musical

 

*Fonte: CCJF


artecentro culturalcultura
publicado: 01/04/22 - 14:31última modificação: 02/05/22 - 13:21

Gerada em: 26/06/2022 17:45:01
X