Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
ajde_events
gravityview
Logotipo do Site
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
ajde_events
gravityview

AbreLoginRede

Sobre o Laboratório

 

APRESENTAÇÃO

InovarES – Laboratório de Inovação da Justiça Federal do Espírito Santo – é um espaço gerado com o objetivo de proporcionar condições favoráveis para a criação, colaboração, compartilhamento e desenvolvimento de ideias.

 

O QUE É

Espaço provido de instalações e equipamentos para realização de estudos, pesquisas e desenvolvimento de projetos de Inovação com uso de técnicas colaborativas que propiciem a resolução de problemas complexos, tais como design thinking e modelagem de negócios.

 

OBJETIVO

Propiciar a cocriação horizontal de novos serviços e processos de trabalho, ou reformulação dos já existentes, com estímulo às novas ideias e à troca de experiências, estimulando a descoberta de possibilidades a fim de aprimorarmos os serviços judiciários.

 

HISTÓRICO

A ideia surgiu a partir da experiência da Justiça Federal de São Paulo (JFSP) e do grupo formado de juízes que compunham o FONAGE da AJUFE. O grupo vinha discutindo a necessidade de uma gestão estratégica e inovadora. A Diretora do Foro da Seção Judiciária do Espírito Santo, Dra. Cristiane Conde Chmatalik, inspirada no iJuspLab, criado pela JFSP, idealizou e implementou a criação do Laboratório de Inovação da Justiça Federal do Espírito Santo (JFES), inicialmente nomeado de iJusLabES e posteriormente rebatizado de InovarES, atual nome do Laboratório.

 

LOGO e SIGNIFICADOS

Logo Inovares Reduzido

Logo Inovares Reduzido

Criado com o nome de iJusLab/ES, inspirado no nome do Laboratório de Inovação da JFSP, em 2020 teve seu nome alterado, através de uma enquete realizada com magistrados e servidores da SJES, para INOVARES.

 

Laboratório De Inovação Elementos Da Logo Inovares

Laboratório De Inovação Elementos Da Logo Inovares


 


EQUIPE

A equipe do Laboratório de Inovação da JFES é liderada pela Juíza Federal Dra. Cristiane Conde Chmatalik, coordenadora do InovarES. Tod@s atuam como voluntários, realizando as atividades do Laboratório em paralelo ao serviço habitual em suas lotações de trabalho, movid@s pelo espírito de solidariedade e anseio de fazer parte da construção de uma instituição mais humana, horizontal, eficiente e inovadora! Os laboratoristas utilizam métodos que permitem a interação, cocriação e troca de conhecimento, com envolvimento de todos os atores envolvidos. Além disso, recebem capacitação através de iniciativas como o HubJus e para utilização de técnicas como o Design Thinking.

image

Cristiane Conde Chmatalik

Juíza Federal Coordenadora do InovarES

Nascida em Belo Horizonte, Cristiane Chmatalik é graduada em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e mestre em Direito Público da Cidade, pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). É Juíza Federal desde 2001. Já atuou na Turma Recursal do Espírito Santo, de 2008 a 2010, e como suplente na Turma Nacional de Uniformização – TNU, entre 2009 e 2011. Em junho de 2011, foi nomeada juíza coordenadora do Centro de Solução de Conflitos e Cidadania (Cescon) da Seção Judiciária do Espírito Santo. Entre 2013 e 2015 atuou como Coordenadora do Núcleo Permanente de Solução de Conflitos do Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Desde março de 2016 é membro do Comitê Gestor de Conciliação do Conselho Nacional de Justiça, tendo sido reconduzida para o atual biênio. Já participou como coordenadora e conciliadora de diversos mutirões de conciliação na Capital e nas Subseções do interior do Espírito Santo e na Seção Judiciária do Rio de Janeiro. Ocupou no período de 2015 a 2017 a vaga destinada aos magistrados federais junto ao Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo. Atuou como Diretora do Foro da Seção Judiciária do Espírito Santo no período de abril de 2017 a abril de 2021. Atualmente, é Juíza Titular da 6ª Vara Federal Cível da Subseção Judiciária de Vitória e Coordenadora do Laboratório de Inovação – Inovares.O que entende que o laboratório pode contribuir para o avanço do Poder Judiciário: O laboratório facilita e permite o melhor ambiente para trazer mudanças e inovação para o órgão, permitindo a geração de valor público.

image

Breno Nunes Magnago


Ingressei na Justiça Federal em outubro de 2010, na Vara Federal de Linhares, onde atuei no Juizado Especial, por curto período de tempo, até ser removido para a Sede, onde atuei por 6 anos no Núcleo de Controle Interno, hoje Núcleo de Auditoria. Em 2016 passei a fazer parte do Núcleo de Administração Financeira, onde fiquei até meados do presente ano (2021). Atualmente estou lotado na Secretaria Geral.O que entende que o laboratório pode contribuir para o avanço do Poder Judiciário: Bem utilizado e com um time capacitado, o Laboratório de Inovação tem o potencial de alavancar a Justiça Federal do ES a outro nível em comparação a outros setores públicos de todos os poderes, trazendo celeridade e dinâmica a processos e atendimentos, bem como criando novas alternativas a demandas internas e externas, muitas vezes tão complicadas de serem solucionadas.

image

Carlos Chaves Damásio

Ingressou na Justiça Federal em 1994, para atuar como engenheiro civil, diante das obras de construção do prédio anexo, no antigo prédio da Cidade Alta. Foi um dos mentores do programa 5S na Justiça Federal e, desde então, além das atividades na engenharia, com destaque para a construção do prédio Sede, além de várias outras obras com a equipe do NOM, sempre que possível participou de iniciativas inovadoras, como a construção de duas usinas fotovoltaicas, o aproveitamento de materiais reciclados, entre outras. Foi responsável pelo projeto do laboratório de inovação, onde atuou desde o princípio como membro do iteam, em iniciativas como a seção de ideação que permitiu a contratação do primeiro programa HUBJUS e os esforços para formação de uma rede de colaboração em inovação.O que entende que o laboratório pode contribuir para o avanço do Poder Judiciário: Mais do que produzir inovações, o laboratório é uma oficina de formação de inovadores. Nem sempre as ideias surgem de um processo formal de Design Thinking, mas sim do ambiente colaborativo que se cria em torno do laboratório. Momentos vividos no laboratório, como a participação do então Presidente do TRF2, Desembargador André Fontes, juntamente com o iteam em um debate sobre inteligência artificial na Justiça Federal, ou a participação do nosso laboratório no esforço do CNJ para lidar com os riscos decorrentes de barragens, são a prova viva do potencial transformador desse ambiente.

image

Neidy Aparecida Emerick Torrezani


Formada em Letras e Direito pela Universidade Federal do Espírito Santo com Pós-graduação em Direito Público pela Faculdade Cândido Mendes e MBA em Liderança e Desenvolvimento Humano pela Fucape – Vitória-ES. Apaixonada por viagens, bichos, séries, livros, pessoas e tecnologia.O que entende que o laboratório pode contribuir para o avanço do Poder Judiciário: O Laboratório além de ajudar na solução de problemas atuais e recorrentes do Poder Judiciário tem como preparar equipes, processos e procedimentos para uma Justiça que será mais um serviço do que instalações físicas.

image

Ronnie Francis Rangel Mariano

Capixaba, servidor da justiça desde 2005, atuando na área de desenvolvimento de pessoas e estágio desde 2009.O que entende que o laboratório pode contribuir para o avanço do Poder Judiciário: Somente com inovação será possível oferecer ao cidadão o melhor serviço possível, com a agilidade e efetividade exigidas, e, também, enfrentar os desafios que as restrições financeiras irão impor aos órgãos do judiciário.

image

Sérgio Pereira de Oliveira e Souza


Formado em Administração pela UFES e com MBA em Gestão de Projetos pela FGV, atua na SJES desde 1994, tendo atuado nas áreas de gestão documental, gestão de projetos e de processos, sempre em auxílio à Secretaria Geral.O que entende que o laboratório pode contribuir para o avanço do Poder Judiciário: Acredito que os laboratórios podem somar bastante à atuação do Poder Judiciário. As metodologias contribuem bastante para o processo criativo e favorecem a participação conjunta dos envolvidos, independentemente do seu nível hierárquico, compartilhando experiências e ideias para a solução dos problemas enfrentados.

image

Tairo da Costa Sobral Caland

Piauiense. Graduado em Ciências Contábeis e em Gestão de Recurso Humanos. Especialista em Gestão de Pessoas. É servidor da Justiça Federal do Espírito Santo desde o ano de 2020. Atuou em setores como Seção de Gestão Estratégica e Seção de Desenvolvimento de Pessoas e Estágio. Atualmente vinculado à Secretaria Geral.O que entende que o laboratório pode contribuir para o avanço do Poder Judiciário: A partir de metodologias e ideias inovadoras, nosso laboratório poderá encontrar meios de prestar serviços de maneira mais ágil e encontrar soluções eficientes para diversas demandas existentes na Justiça.

image

Diego Starley Costa de Alomba


Nasceu em Vitória/ES, em 18/02/1990. Formou-se em Direito pela Universidade Federal do Espírito Santo em 2013. Seu primeiro vínculo com a Justiça Federal foi de 2010 a 2012, quando foi estagiário do 1JEF de Vitória/ES e passou a nutrir o desejo de voltar ao órgão como servidor, o que veio a se concretizar em 2014. Desde setembro/2017 é o supervisor da Seção de Atermação e Atendimento ao Público/SESAP/NAJ.O que entende que o laboratório pode contribuir para o avanço do Poder Judiciário: O laboratório é uma ponte entre o Poder Judiciário e o futuro; é um provocante e colaborativo caminho necessário para sua modernização e para a introdução de ferramentas e práticas inovadoras capazes de aperfeiçoar a prestação jurisdicional e o acesso à Justiça.

image

Diana Brandão Maia Mendes de Sousa

É bacharel em Direito pela Universidade Federal Fluminense-UFF e Mestra em Direitos e Garantias Fundamentais pela Faculdade de Direito de Vitória-FDV. Possui experiência em conciliação de conflitos, tendo atuado como Conciliadora em demandas do 2º Juizado Especial Federal e na 6ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Espírito Santo. É Oficial de Gabinete da 6ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Espírito Santo, membro da Equipe de Mediação de Conflitos Internos da Seção Judiciária do Espírito Santo, da Comissão de Prevenção e Enfrentamento do Assédio Moral e Sexual da Seção Judiciária do Espírito Santo e do Laboratório de Inovação da Seção Judiciária do Espírito Santo. Faz parte do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Políticas Públicas, Direito à Saúde e Bioética – BIOGEPE, da Faculdade de Direito de Vitória-FDV. Já atuou como instrutora de cursos na Seção Judiciária do Espírito Santo, na Faculdade de Direito de Vitória-FDV e na Escola de Serviço Público do Estado do Espírito Santo-ESESP. É co-autora das obras “Licitações e Contratos: Doutrina e Legislação” (Governet: Curitiba, 2008) e “Direito Municipal Contemporâneo: Novas tendências” (Fórum: Belo Horizonte, 2010) além de haver publicado artigos jurídicos em revistas especializadas. Atuou como consultora jurídica do Instituto Brasileiro de Administração Municipal-IBAM e foi advogada no Rio de Janeiro.O que entende que o laboratório pode contribuir para o avanço do Poder Judiciário: Nos dias de hoje, não há como pensar num Poder Judiciário dissociado de inovação e tecnologia. Num mundo onde as demandas são crescentes e cada vez mais complexas e no qual os orçamentos destinados ao serviço público são reduzidos, é preciso fazer mais com menos. E é, justamente, neste contexto, que ingressa a contribuição do Laboratório de Inovação, que nos faz pensar as melhores alternativas para a gestão, de modo a atender o interesse público de maneira maximamente eficiente.

 


INSTALAÇÕES FÍSICAS

 

O Laboratório de Inovação da JFES está localizado no 7º andar de seu Prédio Sede, na Av. Marechal Mascarenhas de Moraes, 1877, Monte Belo, Vitória-ES.

 

O ambiente possui Sala de Capacitação Multiuso, com 100 m², que pode ser montada para cursos on-line ou para eventos do próprio laboratório, com projetor, lousa digital, banheiro para ambos os sexos, copa acoplada, antessala; Salas para videoconferência ou pequenas reuniões, uma com 30 m² e capacidade para 10 pessoas, e outra com 21 m², capacidade para 6 pessoas, ambas com carteiras tipo escolar e TV com videoconferência; Sala de Descompressão, com 21 m², em ambiente lúdico, com pufes; Sala de Reuniões e criação, com 28 m², mesas escrevíveis que podem ser montadas juntas ou separadas, TV, aparelho de videoconferência, lousa magnética.

 

Venha nos visitar! Você é muito bem-vind@!
Agende sua visita: inovares@jfes.jus.br

 

Observação: Devido a pandemia, a implementação do trabalho remoto e à adoção do regime de plantão extraordinário na Justiça Federal do Espírito Santo, as reuniões do Laboratório de Inovação vêm sendo realizadas exclusivamente em formato virtual, através de plataformas como Cisco Webex Meetings e Zoom.

 

Gerada em: 27/09/2021 03:54:15
X